CEB pede que governo amplie diálogo com o setor produtivo sobre redução da TEC

A Coalização Empresarial Brasileira (CEB), em carta enviada ao secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, solicitou a ampliação do diálogo com o setor produtivo e defendeu a abertura de consulta pública sobre a proposta de redução da Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul. Embora concorde que há espaço para a revisão da TEC, visando a ganhos de produtividade, a CEB ressalta que uma revisão ampla, que pode chegar a 50% da tarifa média do bloco, conforme proposta em estudo pelo Brasil, gera impacto no planejamento de investimentos, nas estratégias de produção das empresas brasileiras e insegurança jurídica. 

O diretor-executivo do Sinproquim, Renato Endres, apoia a iniciativa da CEB. Segundo ele, é preciso dar oportunidade de manifestação ao setor produtivo brasileiro sobre as propostas em estudo de redução tarifária no Mercosul. 

Em uma segunda carta enviada ao Ministério da Economia, no dia 25 de julho, a CEB destaca que o setor empresarial teve acesso a informações sobre o tema apenas por meio de atas de reuniões de Mercosul e de declarações públicas de autoridades brasileiras. A entidade observa ainda que o Comunicado Conjunto dos Presidentes do Mercosul e da Bolívia coloca como um dos objetivos do bloco para a Presidência Pro-Tempore brasileira, que teve início em 17 de julho, cumprir com o mandato de análise e revisão da TEC no segundo semestre.