Conselho Industrial do Mercosul relaciona prioridades para estimular a economia dos países-membros

A União Industrial Argentina (UIA), a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a União Industrial Paraguaia (UIP) e a Câmara de Indústrias do Uruguai (CIU) encaminharam aos governos dos países que compõem o Mercosul documento apontando prioridades para o segundo semestre deste ano. A presidência pro tempore do Mercosul está sendo exercida pelo Brasil. No documento, as entidades destacam que a integração regional perdeu impulso, o que requer ajustes, tanto para que o comércio entre os países-membros volte a ser um motor para o crescimento industrial como para acelerar a inserção internacional do bloco. Observam também que o Mercosul deve assimilar e adaptar às suas ações as novas realidades da economia e as novas condições derivadas da revolução tecnológica em curso.

Entre as prioridades apontadas pelo Conselho Industrial do Mercosul estão o aprofundamento do diálogo entre os governos, a institucionalização do diálogo entre os governos e os setores industriais e a garantia da livre circulação de mercadorias, bem como avanços na agenda externa, com movimentos concretos para a assinatura e ratificação dos acordos já celebrados com a União Europeia e com a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA).