O que a empresa deve avaliar antes de decidir realizar investimentos socioambientais?

Não sei se é devido à minha visão cética, mas quando falamos de assuntos socioambientais, sempre estou com um “pé atrás” já que, em minha experiência, muitas iniciativas que consegui avaliar apresentaram conflitos de interesse.

Por outro lado, muitas das iniciativas socioambientais que consegui avaliar geravam custos operacionais e, em consequência, impactavam de alguma forma na saúde financeira da empresa. Considerando esta observação, eu me pergunto:

  • Se eu fosse acionista da empresa, será que eu estaria de acordo em usar parte de meu dinheiro para iniciativas socioambientais?
  • Se eu fosse cliente desta empresa, será que eu estaria disposto a comprar o produto ou serviço oferecido a um valor mais caro?

Acredito que essas perguntas são importantes e devem ser avaliadas antes da realização de qualquer investimento socioambiental.

É claro que muitas dessas iniciativas utilizam incentivos fiscais para baratear custos nas empresas. É importante, porém, destacar que o incentivo fiscal é dinheiro do estado que deve ser destinado a um projeto conforme determinada lei; em outras palavras, esses recursos são de propriedade do estado e não da empresa promotora. Em consequência, qualquer mau uso desses recursos poderia ser considerado uma prática corrupta.

No entanto, é importante destacar que as iniciativas socioambientais efetivas têm ocupado um papel importante nas instituições, já que geram desenvolvimento sustentável em determinado setor e, ao mesmo tempo, podem gerar boa imagem frente ao mercado e seus fornecedores. 

Para isso, é fundamental manter o devido equilíbrio:

  1. Escolher e avaliar um projeto efetivo, que gere valor agregado para a empresa, sociedade ou o meio ambiente;
  2. Respeitar e seguir rigorosamente os Princípios de Governança Corporativa da empresa, e
  3. Ser transparente com os acionistas no momento de prestação de contas.

Eu denominaria esse equilíbrio de ESG.

O que significa ESG?

ESG (Environmental “Ambiental”, Social “Social” e Governance “Governança”) são, basicamente, métricas utilizadas que começaram a ser adotadas nos Estados Unidos para mensurar:

a) como uma empresa está sendo dirigida, administrada e controlada;

b) o nível de conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis e

c) quais iniciativas socioambientais estão sendo praticadas para o desenvolvimento sustentável em determinado setor.

Além de manter um devido equilíbrio entre Governança Corporativa e Desenvolvimento Sustentável, o ESG serve como uma ponderação positiva no momento de solicitar produtos como créditos a instituições financeiras.

De outra forma, é importante destacar que não existe uma métrica-padrão para medir ESG nas empresas. As instituições financeiras baseiam-se em processos de avaliação de risco embutidos dentro do Processo Know Your Customer (Conheça seu Cliente) que, basicamente, consiste na análise da legitimidade das atividades econômicas do cliente, verificação da existência de iniciativas socioambientais implantadas e revisão de possíveis notícias adversas na mídia, como práticas corruptas, lavagem de dinheiro, desmatamento ilícito, poluição e mão de obra escrava, entre outros assuntos negativos.

Agora que conhecemos os benefícios de manter boas métricas de ESG, o que precisamos ter em mente?

  1. Nem toda empresa pode ser ESG 100%: toda empresa se comporta de forma parecida à Teoria das Necessidades Humanas, também conhecida como a Pirâmide de Maslow. Toda empresa precisa dar prioridade à sua própria sobrevivência; isto significa procurar primeiro o lucro para manter a sobrevivência de seus investidores e colaboradores. Posteriormente, quando a empresa esteja com certo nível de desenvolvimento, poderá pensar em outros projetos como iniciativas socioambientais. 
  2. Todo projeto socioambiental precisa passar antes por uma rigorosa avaliação de risco: não importam as boas intenções de quem promove o projeto, é importante analisar previamente quais eventos poderiam acontecer. Lembre-se que iniciativas socioambientais geram impactos nas comunidades; tirá-la posteriormente do ar por descobrir falhas internas poderia gerar graves riscos na imagem da empresa. Como sugestão, criem um grupo de especialistas de diferentes áreas, incluindo Jurídico, Compliance, Risco Operacional e realizem uma tempestade de ideias para ver como mitigar ou prevenir os possíveis eventos. 
  3. Quanto mais econômica uma iniciativa melhor para as finanças da empresa. Lembram quando era comum utilizar papel reciclável nos cartões de visita? Por que acabou essa tendência? A resposta é simples, pagar por papel reciclado resultava ser mais caro para a empresa que comprar papel comum. Também havia a tese de que aquele tipo de papel reciclado poluía mais do que comprar papel não reciclado. Lembre-se: quanto menos custos, mais competitiva pode virar a empresa.
  4. Procurem iniciativas que gerem o bem comum e evitem aquelas que possam gerar algum tipo de ruído na mídia: existem iniciativas que privilegiam certos grupos, mas geram antipatia para outros. Em consequência, a empresa pode sofrer do chamado “cancelamento”. Sugerimos procurar assessores midiáticos antes de lançar alguma iniciativa que poderia gerar algum risco de aparecer na primeira página dos jornais com uma notícia negativa.
  5. Implementem um Programa de Risco e Compliance que seja efetivo: não estou falando de apenas postar o Código de Conduta na página de internet e criar um canal de denúncias com pouca visibilidade. O Programa de Compliance precisa de uma governança interna, a liderança precisa promover o código de conduta tanto com seus colaboradores como com terceiros relacionados. Todo colaborador deve estar apto a saber que medidas tomar no caso de presenciar algum evento que gere suspeita de prática antiética ou fraudulenta. Lembre-se que muitas das iniciativas socioambientais têm recursos do governo e o mau uso poderia ser considerado uma prática corrupta.
  6. Sejam transparentes com seus acionistas: como comentamos previamente, a empresa pode oferecer recursos para iniciativas socioambientais sempre que haja disponibilidade em caixa, as finanças estejam claras e que haja transparência com seus acionistas.

ESG é importante para a boa imagem das empresas. Se pensam em investir num Programa Socioambiental façam iniciativas que são para valer e evitem o chamado “para inglês ver”. Entendo que a ânsia em posicionar a empresa no mercado é um fator importante, mas esta estratégia poderia colapsar se não se tomam as devidas providências.

* Juan Musso é consultor e diretor da Comp9