Relatório de atividades do Sinproquim destaca relevância do setor para a economia

As várias iniciativas do Sinproquim em apoio à indústria química paulista realizadas em 2020 e nos primeiros cinco meses de 2021, um período particularmente difícil e desafiante em razão da pandemia de covid-19, compõem o Relatório de Atividades da entidade, que comemora este ano 90 anos de fundação. A busca de soluções para garantir o abastecimento às cadeias de valor, os alertas com o recorrente desmonte do parque industrial brasileiro e, por consequência, com a redução de postos de trabalho e aumento da dependência externa em produtos químicos e matérias-primas, entre outras ações, são destacados na publicação.

Na mensagem que abre o Relatório de Atividades, o presidente do Sinproquim, Nelson Pereira dos Reis, observa que a indústria química brasileira vem perdendo competitividade, embora tenha capacidade e condições de atender às diversas demandas, o que ficou demonstrado ao longo dos últimos anos e tornou-se vital durante a pandemia.  “É difícil entender a lógica de um país como o Brasil, que tem na agricultura o seu principal motor exportador, ficar a cada ano mais dependente da importação de fertilizantes e defensivos agrícolas”, ressalta. Para Nelson Reis, a dependência aumenta consideravelmente o risco de, no futuro, e por questões geopolíticas, o País ficar sem fertilizantes para sustentar a expansão da agricultura.